Deportes

Ciro Gomes participa de congresso de sindicatos e defende união entre trabalhador e patrão

Operation Underground Railroad Movie
El tercer diamante de mayor tamaño, en estudio en Amberes

RIO — O ex-ministro Ciro Gomes (PDT) vai abrir, na próxima sexta-feira, o Congresso da Central de Sindicatos Brasileiros (CSB), onde debaterá um projeto nacional de desenvolvimento. Para o pedetista, que é pré-candidato à Presidência em 2022, é apenas através da união entre o trabalhador e o patrão que será possível achar uma solução para a crise pela qual o país passa. 

Leia: Ciro Gomes vê queda de popularidade de Bolsonaro como caminho para disputar segundo turno em 2022

Somente unindo quem trabalha com quem produz será possível trilhar os caminhos para superação dessa tragédia que estamos vivendo nos últimos anos — afirmou.

Uma das principais bandeiras de Ciro para o ano que vem é a preservação dos direitos trabalhistas. Ele afirma que é preciso olhar os exemplos de outros países para trazer solução à crise econômica no Brasil. Uma das nações que o país deve se espelhar, segundo o ex-ministro, é os Estados Unidos:

Vamos olhar para as melhores práticas internacionais, a exemplo dos EUA. A principal economia capitalista do mundo, onde o governo Biden promove o fortalecimento dos direitos como medida para diminuir a precarização, aumentar o poder de compra dos trabalhadores, gerar empregos e promover o crescimento econômico. Os direitos trabalhistas são parte da solução da economia, não o problema

RIO — O ex-ministro Ciro Gomes (PDT) vai abrir, na próxima sexta-feira, o Congresso da Central de Sindicatos Brasileiros (CSB), onde debaterá um projeto nacional de desenvolvimento. Para o pedetista, que é pré-candidato à Presidência em 2022, é apenas através da união entre o trabalhador e o patrão que será possível achar uma solução para a crise pela qual o país passa. 

Leia: Ciro Gomes vê queda de popularidade de Bolsonaro como caminho para disputar segundo turno em 2022

Somente unindo quem trabalha com quem produz será possível trilhar os caminhos para superação dessa tragédia que estamos vivendo nos últimos anos — afirmou.

Uma das principais bandeiras de Ciro para o ano que vem é a preservação dos direitos trabalhistas. Ele afirma que é preciso olhar os exemplos de outros países para trazer solução à crise econômica no Brasil. Uma das nações que o país deve se espelhar, segundo o ex-ministro, é os Estados Unidos:

Vamos olhar para as melhores práticas internacionais, a exemplo dos EUA. A principal economia capitalista do mundo, onde o governo Biden promove o fortalecimento dos direitos como medida para diminuir a precarização, aumentar o poder de compra dos trabalhadores, gerar empregos e promover o crescimento econômico. Os direitos trabalhistas são parte da solução da economia, não o problema.

Nos EUA, Biden, um político de perfil moderado, derrotou o ex-presidente republicano Donald Trump, aliado de Jair Bolsonaro, após uma aliança entre as alas mais progressistas e conservadoras do Partido Democrata. Desde que assumiu a Casa Branca, o americano adotou uma agenda ousada na economia, propondo um pacote recuperação econômica de US$ 1,9 trilhões para aliviar os impactos causados pela pandemia da Covid-19.

Se eleições fossem agora:  Lula tem 46% das intenções de voto, e Bolsonaro aparece com 25% no 1° turno, segundo Datafolha

Biden ainda pretende aumentar a taxação de impostos dos mais ricos. Em uma visita recente ao Rio, Ciro também falou sobre isso. 

— Um por cento dos brasileiros tem hoje metade das riquezas do país. Se a gente quiser agravar a caricatura, cinco pessoas tem a fortuna equivalente às posses de cem milhões de brasileiros. Isso não vai ser mudado com política social compensatória — disse Ciro em um encontro com lideranças religiosas e do movimento negro, no Rio. 

PUBLICIDADE No evento da CSB, Ciro vai abrir o debate junto com o presidente da entidade, Antonio Neto, que é também um dos vice-presidente estaduais do PDT em São Paulo. Depois, haverá uma sequência de outros debates com o economista Nelson Marconi, o empresário Eduardo Moreira, criador do movimento “Somos 70%”, a ex-auditora fiscal Maria Lucia Fattorelli, coordenadora da Auditoria Cidadã da Dívida, e o ex-senador Roberto Requião (MDB), entre outras personalidades acadêmicas, políticas e sindicais.

O 3º Congresso da CSB será realizado entre os dias 9 e 11 de setembro. A entidade representa mais de 5 milhões de trabalhadores e tem 900 sindicatos filiados, além de três federações. Por causa da pandemia, todos os eventos serão online e transmitidos pelo YouTube e pelas redes sociais da CSB.